Números de 2022 mostram que Brasília ficou com quase 80% dos impostos da região Sul

A região Sul, uma das mais exploradas do país, recebeu míseros 20,69% dos recursos que enviou para Brasília em 2022.

Pesquisa realizada em fontes oficiais do governo federal mostram que neocolonialismo interno continua ganhando força no Brasil. A região Sul, uma das mais exploradas do país, recebeu míseros 20,69% dos recursos que enviou para Brasília em 2022.

 

Na manhã de hoje, 23 de maio, o Movimento O Sul é o Meu País concluiu e divulgou os estudos envolvendo a arrecadação tributária da região Sul e mais uma vez os números são desanimadores. Segundo dados colhidos em fontes oficiais do governo federal pelo Diretor de Estatística do Movimento e coordenador da pesquisa, Fabricio Barbosa, o esforço produtivo da população desta região arrecadou, R$ 311.138.713.546,00 (em bilhões). Desta fortuna enviada a Brasília, retornou para o Sul em 2022, apenas 64.361.825.475 (em bilhões). Ou seja, apenas 20,69%. “Brasília abocanhou 79,31% de tudo que foi enviado em impostos pelos Sulistas. São mais de 246 bilhões que arrancaram de nós e que nunca mais vamos receber de volta. Estes números provam que existe de fato um sistema neocolonial implantado dentro do Brasil, onde algumas colônias (Estados) produzem muito e recebem pouco e a metrópole que não produz nada fica com esta fatia aviltante de recursos”, analisou Fabricio Barbosa.

O levantamento feito pela entidade mostra também um panorama geral do Brasil, envolvendo todos os Estados e o Distrito Federal. As comparações envolvendo quanto cada um arrecada e quanto recebe de volta são inevitáveis e mostram a total ineficiência da gestão concentrada em Brasília. “É revoltante ver como os três estados do Sul são tratados por Brasília na questão arrecadatória. Nos últimos anos constatamos com tristeza que a concentração de recursos na capital federal e a péssima gestão do dinheiro público, vem empobrecendo nossa gente. Somos penalizados por produzir e arrecadar mais”, afirmou a presidente do Movimento O Sul é o Meu País, Nana Freitas.

Entre os três estados do Sul, Santa Catarina foi o mais penalizado pelo governo federal em 2022. Recebeu apenas 13,43% do que enviou a Brasília. “A nossa revolta é ainda maior quando comparamos o estado que mais recebeu recursos, o Amapá. Este Estado recebeu 396,63% a mais do que arrecadou. Mas a lista vai além e mostra que quase todos os Estados bolsões de votos, receberam muito mais do que arrecadaram. Nossa inevitável conclusão é que os governos de plantão em Brasília usam o esforço produtivo dos estados Sulistas para fazer politicagem na tentativa de se manter no poder. Afinal, são anos e anos de investimentos em algumas regiões e até hoje nenhuma delas saiu da situação de dependência. Há algo de muito errado na gestão destes recursos. Não creio que este dinheiro chegue ao cidadão, que é quem de fato precisa. É mais provável que esteja nos bolsos das oligarquias regionais que dão suporte aos governos na capital federal. A grande verdade é que Brasília arrecada nossa riqueza e nos devolve pobreza”, analisou Celso Deucher, Secretário Geral do Gesul (Grupo de Estudos Sul Livre) e um dos fundadores do Movimento O Sul é o Meu País.

Como vem acontecendo desde 2011, o Movimento O Sul é o Meu País organizou uma tabela contendo as fontes da pesquisa, bem como os números da arrecadação e retorno em cada estado. Confira as conclusões nos gráficos abaixo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Comentários

Notícias

COMPARTILHAR

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

pagar anuidade

PIX
Banco 085 / Agência 0101-5 / Conta 8537348
R$ 70,00 anual
Envie comprovante com nome do membro para
contato@osuleomeupais.org

doação

Somos um movimento sem fins lucrativos. Ajude-nos a divulgar cada vez mais nossos ideais. Você pode doar qualquer valor.