Separatistas vencem eleições em Taiwan

Tsai Ing-wen - lider separatista de taiwan
Tsai Ing-wen, lider separatista de Taiwan

Pequim age como Brasília e ameaça separatistas da ilha rebelde

A separatista Tsai Ing-wen, líder do principal partido da oposição em Taiwan, se converterá na primeira mulher presidente da ilha depois que o partido no poder, Kuomintang (KMT), pró China, reconheceu sua derrota na eleição presidencial deste sábado. A eleição marca um novo momento para a ilha e promete azedar de vez as relações com a China, país invasor e que vinha retirando aos poucos a autonomia de Taiwan.

Tsai Ing-wen, do Partido Democrático Progressista (PDP), ex-professora universitária de 59 anos venceu as eleições questionando a política de submissão de seu adversário diante da poderosa China. Ela acabou se beneficiando da desconfiança dos eleitores taiwaneses em relação à Pequim e de sua frustração com os péssimos números da economia.

Os habitantes temem que a ilha se torne dependente de Pequim, perdendo, assim, sua identidade e soberania. Além disso, muitos taiwaneses se sentem abandonados pela política, que só beneficia – segundo eles – as grandes empresas e a própria China.  O território segue seu próprio rumo desde 1949, quando os nacionalistas do KMT, liderados por Chiang Kai-shek, se refugiaram na ilha após a vitória dos comunistas de Mao Tsé-Tung. Após a morte de Chiang, Taiwan abraçou pouco a pouco a democracia. No entanto, a China ainda considera a ilha como parte integrante de seu território. Desde os anos 60, a China voltou a assediar Taiwan e pouco a pouco foi expandindo seus tentáculos sobre a ilha. A vitória dos separatistas deve colocar novamente as coisas no lugar.

Pequim age como Brasília

A situação de Taiwan é muito parecida com a questão Sul-Brasileira. Pequim, assim como Brasília, acredita ter direitos sobre o território taiwanese, mesmo contra a vontade do seu povo. No Sul do Brasil, mais de 75% da população quer livrar-se de Brasília e formar um estado nacional independente. Em Taiwan a população demonstrou nas urnas o que pensa, retirando do poder os políticos pró-Pequim. No Sul, o Plebiscito que acontece dia 2 de outubro de 2016, promete também demonstrar inequivocamente que os Sulistas não desejam mais fazer parte da farsa federalista brasileira.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Comentários

Notícias

COMPARTILHAR

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

pagar anuidade

PIX
Banco 085 / Agência 0101-5 / Conta 8537348
R$ 70,00 anual
Envie comprovante com nome do membro para
contato@osuleomeupais.org

doação

Somos um movimento sem fins lucrativos. Ajude-nos a divulgar cada vez mais nossos ideais. Você pode doar qualquer valor.